Pesquisa Google

5/27/2011

A Sala Ambiente Como Recurso Pedagógico



Aqui o ensino muda de figura

Mapas nas paredes, globos terrestres nas mesas. Guardados nas prateleiras, atlas e muitos livros e revistas sobre Geografia. Quem entra em uma típica sala-ambiente como esta, da Escola Estadual Francisco Cristiano Lima de Freitas, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo (abaixo), logo identifica a área do conhecimento de que ela trata.

"A proposta dessa alternativa pedagógica é facilitar o processo de ensino-aprendizagem, reunindo teoria e prática", define Ghisleine Trigo, coordenadora de projetos do Protagonistés, Instituto de Protagonismo Jovem e Educação, de São Paulo. Como essa relação acontece? Imagine que durante suas explicações você mencione um fato ocorrido num país da Europa e, imediatamente, seus alunos visualizam onde ele se localiza.

Indicadas para todas as disciplinas, as salas-ambiente estimulam a pesquisa e favorecem o seu trabalho com turmas heterogêneas.

Vontade e recursos didáticos: indispensáveis

Mais do que um espaço diferenciado, a sala-ambiente significa uma concepção de ensino que se distingue da tradicional. Para que seja implantada, ela deve, em primeiro lugar, estar prevista na proposta pedagógica da escola. A idéia necessita ser compartilhada por toda a equipe escolar. Foi assim na Escola Estadual Francisco Cristiano Lima de Freitas, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.


A instituição tinha todas as condições físicas para trabalhar nesse regime. Possui 21 salas para atender os 1665 alunos de 5ª a 8ª série, Ensino Médio, Educação de Jovens e Adultos e Educação a Distância. A diretora Sônia Maria dos Santos aproveitou as reuniões regulares com o grupo para apresentar o conceito. "Todos foram se familiarizando com a idéia e, quando a implantamos, já tínhamos a aprovação da maioria dos membros da equipe."

Diferentemente dessa escola paulista, que passou a funcionar utilizando as salas-ambiente por uma opção didática, a Escola Sá Pereira, no Rio de Janeiro, adotou o sistema por necessidade. Lá são atendidas crianças de 1 ano e meio a 5 anos de idade. "Como não havia espaço para instalar várias classes polivalentes, preferimos criar ambientes diferenciados", explica a diretora Maria Teresa Moura. As instalações incluem, além de biblioteca e brinquedoteca, três salas-ambiente, a de corpo e som, a de arte e a de apoio — onde ficam os jogos e outras atividades.


  • Tabelas e fórmulas


Representações matemáticas ficam expostas no quadro ou nas paredes. Elas não devem ser decoradas, mas compreendidas

  • Origamis


As dobraduras são ideais para serem usadas durante as aulas de Geometria. Elas facilitam a observação de medidas e formas geométricas

  • Materiais didáticos


Transferidor, compasso e esquadro, usados para medir e construir ângulos, também utilizados nas aulas de Geometria

  • Materiais concretos


Figuras planas e sólidos geométricos servem para ensinar diferenças entre, por exemplo, a forma de um CD e de uma bola

Lista de materiais

Definido o espaço, a escola precisa reunir os recursos didáticos que já possui para o ensino de cada disciplina e listar o que é necessário providenciar. Só com material disponível para distribuir pelas diversas classes a proposta vai funcionar.

Com a implantação das salas-ambiente, a escola modifica completamente a sua dinâmica. Direção, professores e estudantes são afetados. E a primeira mostra disso é a grade horária, que precisa ser reelaborada para que os espaços disponíveis dêem conta do atendimento de todas as turmas. O tempo de duração de cada aula também precisa ser repensado, já que são os alunos que mudam de classe a cada sinal, e não os professores.

A Escola Carlitos, de São Paulo, tem oito salas-ambiente onde se distribuem 100 alunos de 5ª a 8ª série. Lá cada aula tem 50 minutos, mas os jovens dispõem de outros cinco para se deslocar. Para aumentar o aproveitamento do tempo e diminuir o fluxo de estudantes, outra opção é organizar o horário com aulas duplas. A troca de classes também se torna mais rápida se forem estabelecidos sentidos de trânsito pelos corredores.

Cabe a você a responsabilidade de determinar quais recursos devem ser incluídos no espaço reservado ao ensino de sua disciplina e como eles serão dispostos. Sua forma de trabalhar também se modifica. No planejamento das aulas, você passa a levar em conta a utilização dos recursos disponíveis. É necessário ainda planejar a organização das carteiras, para facilitar o trabalho diferenciado e em equipes.

Os estudantes, por sua vez, também precisam estar envolvido em todo o processo. É necessário reservar um local para a exposição das produções da turma. Os trabalhos são parte importante do cenário.


  • Cartazes e torso


Além do mapa do corpo humano, bastante detalhado, o torso facilita a compreensão do tema, por permitir manusear os órgãos

  • Mural


É fundamental, não apenas no espaço de Ciências. Ali devem ser colocados os trabalhos dos alunos — como células feitas de sucata, que podem ser substituídos periodicamente.

  • Arcada dentária


O material é um ótimo aliado nas aulas sobre higiene bucal

  • Microscópio


O instrumento, que também fica disponível no laboratório, é útil na observação de células e tecidos de espécimes animais e vegetais

Fique Alerta

Sala-ambiente é mais que um espaço decorativo. Os recursos didáticos não devem funcionar como meros enfeites. Para evitar essa situação, eles precisam, de fato, ser utilizados regularmente.

Os trabalhos interdisciplinares são importantes. Como as matérias ganham espaços definidos, é importante não deixar que elas fiquem fechadas em si. Proponha trabalhos que envolvam as demais áreas.

A biblioteca continua essencial. A sala-ambiente reúne os livros de uma determinada disciplina, mas a biblioteca dispõe de muito mais. Publicações que não são específicas de um campo são igualmente úteis e interessantes.

Os laboratórios têm funções específicas. Apesar de a classe de Ciências reunir o material relacionado a Biologia, Física e Química, a maioria dos experimentos continua sendo feita nos laboratórios. Esse local concentra equipamentos, reagentes e instalações adequadas para essas atividades, como bancadas e pias.

As aulas vão além dos conteúdos. A organização da escola em salas-ambiente não pode privilegiar apenas os conteúdos, em detrimento de uma formação mais ampla de crianças e jovens.

Se falta estrutura, vale carregar o material. Se você leciona para turmas de 5ª a 8ª e utiliza os mesmos espaços que em outro período recebem alunos de 1ª a 4ª, ainda assim pode trabalhar dentro do conceito de sala-ambiente. Carregue em um carrinho de mercado ou em uma mala de viagem todo o recurso necessário para sua disciplina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!

Mais Postagens:

Currículo:

Minha foto

Formação: Bacharel em Teologia com Ênfase em Grego e Hebraico (SALT/IAE - UNASP). Licenciado em Pedagogia com Habilitação em Séries Iniciais e Administração Escolar (FGG/ACE). Licenciado em Ciências da Religião com Habilitação em Ensino Religioso (FURB). Pós-Graduado em Interdisciplinaridade e Metodologia do Ensino Superior (IBPEX/UNIVILLE). Pós-Graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional (FACINTER/UNIVILLE). Pós-Graduado em Coordenação Pedagógica (UFSC). Pós-Graduado em Mídias na Educação (FURG). Cursando Pós-Graduação em Gestão Pública (IFSC). Atuação Profissional: Técnico Pedagógico na Gerência de Educação de Joinville - GERED - NTE. Professor de Filosofia da Educação; Empreendedorismo, Projetos Educacionais e Corporativos, História da Educação, Sociologia da Educação, Educação e Novas Tecnologias na FGG (Faculdade Guilherme Guimbala - ACE - Associação Catarinense de Ensino). Professor de Ensino Religioso na Rede Municipal de Ensino - SMEC. Professor da disciplina de Mediação de Conflitos na Escola: Indisciplina, Bullying, Ato Infracional e o ECA no IPGEX (Instituto de Pós-Graduação e Extensão). Membro Conselheiro do COMEN e da CMAIDS (Conselho Municipal de Entorpecentes e Comissão Municipal de Prevenção e Controle de DST/AIDS). Membro da aliança:"Por Um Mundo Sem Tabaco", do INCA (Instituto Nacional do Câncer). Autor do Livro: "O Que Você Precisa Saber e Fazer Para Deixarde Fumar" - Editora DPL. Escritor e Palestrante. Contato: jorgeschemes@yahoo.com.br